Problemas e definições do campo da estética em perspectiva histórica

PROGRAMA DE POS-GRADUAÇÃO EM LETRAS _UERJ
CURSO: Problemas e definições do campo da estética em perspectiva histórica
Ieda Magri — Quintas, 19 às 22h — meet.google.com/agc-qdmc-zjn

Ementa
Discussão dos problemas e definições do campo da estética a partir de cinco tópicos da histórica da arte, notadamente no que diz respeito a sua relevância para pensar a literatura e as artes hoje.

Programa
1 Da mímesis da representação à mímesis da produção (26 de novembro e 03 de dezembro)
Aula 1: Introdução à questão da mimese: Costa Lima, Cap. 2 de Frestas, Roteiro de um trajeto: “Repensar a mímesis a partir dos gregos” (de p. 102) e “Repensar a mímesis a partir de sua rejeição pelos modernos” (até p. 117) costa-lima_roteirodeum-trajeto_frestas
Leituras de apoio: Platão: A-republica_livro 10 e Aristóteles: Poetica
Aula 2: Mímesis da produção: Costa Lima, Cap. 2 de Frestas, Roteiro de um trajeto: “Mímesis e representação” (de p. 131 a 144)
Leituras de apoio: Guimarães Rosa: “Meu tio, o iauarete” e Haroldo de Campos “A Linguagem do Iauaretê”, em Metalinguagem e outras metas.

2 O problema da autonomia (10 de dezembro e 04 de fevereiro)
Aula 3: Bourdieu: Cap. 1: A conquista da autonomia_Bourdieu_As-regras-da-arte
Leituras de apoio (sugestão): A Educação sentimental, de Gustave Flaubert e As ilusões perdidas, de Balzac
Aula 4: Peter Burger: “Sobre o problema da autonomia da arte na sociedade burguesa”, em BURGUER-Sobre-o-Problema-Da-Autonomia-Da-Arte

3 Pós-autonomia (11, 18 e 25 de fevereiro)
Aula 5: Josefina  LUDMER_Literaturas postautónomas otro estado de la escritura + “Literaturas autônomas” e “Literaturas pós-autônomas” em LUDMER-Josefina-Aqui-America-Latina
Aula 6: Tamara Kamenszain “Testemunhar sem metáfora” em OS+QUE+ESCREVEM+COM+POUCO_ZAZIE+EDICOES_2019
Aula 7: Florência Garramuño Frutos-estranhos
Leitura de apoio: Indicionario-Do-Contemporaneo, Pedrosa et all.

4 Literatura expandida (04, 11 e 18 de março)
Aula 8: Graciela Speranza: “Despues de Duchamp” em Fuera-de-Campo-Literatura-y-Arte-Argentinos-Despues-de-Duchamp
Aula 9: Alan Pauls: “Alan-Pauls-El-Arte-de-Vivir-en-Arte”, em Temas lentos
Aula 10: César Aira Sobre a arte contemporânea
Leitura de apoio: “A obra de arte na época da reprodutibilidade técnica”, de Walter Benjamim

5 Regimes das artes e contemporaneidade (25 de março, 01 e 08 de abril)
Aula 11: Rancière “Os paradoxos da arte política, de O espectador emancipado
Aula 12:  “Duas cenas de linguagem”, de Laddaga-Reinaldo-Estetica-de-La-Emergencia
Leitura de apoio: Rancière, A partilha do sensivel
Aula 13: Encerramento com a discussão das propostas de cada aluno para o trabalho final

REFERÊNCIAS
AGUILAR, Gonzalo; CÁMARA, Mario. La máquina performática: la literatura en el campo experimental. Buenos Aires: Grumo, 2019.
AIRA, César. Sobre el arte contemporáneo seguido de En la Habana. Buenos Aires: Literatura Handom House, 2018.
AIRA, César. Sobre a arte contemporânea. Trad. Victor da Rosa. Pequena biblioteca de ensaio. Rio de Janeiro: Zazie Edições, 2019. Disponível em: https://static1.squarespace.com/static/565de1f1e4b00ddf86b0c66c/t/5ab0e65baa4a991774b0cdd6/1521542756036/ZAZIE+EDICOES_PEQUENA+BIBLIOTECA+DE+ENSAIOS_CESAR+AIRA_2018.pdf
AIRA, César. Evasión y otros ensayos. Buenos Aires: Literatura Handom House, 2018.
ARISTOTELES; HORACIO; LONGINO. A poética clássica. Trad. Jaime Bruna. 12.ed. Snao Paulo: Cultrix, 2005.
BARTHES, Roland. Inéditos – Vol 1 – Teoria. Trad. Ivone Castilho Bendetti. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. Gênese e estrutura do campo literário. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
BURGUER, Peter. Teoria da vanguarda. Trad. José Paulo Antunes. São Paulo: Ubu, 2017.
CAMPOS, Haroldo. Metalinguagem e outras metas. São Paulo: Perspectiva, 2016.
COSTA LIMA, Luiz. Frestas. A teorização em um país periférico. Rio de Janeiro: Contraponto; Editora da PUC, 2013.
COSTA LIMA, Luiz. A ficção e o poema. São Paulo: Cia das Letras, 2012.
DANTO, Arthur C. O abuso da beleza. Trad. Pedro Sussekind. São Paulo: Martins Fontes, 2018.
GARRAMUÑO, Florencia. La experiencia opaca. Literatura y desencanto. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2009.
GARRAMUÑO, Florencia. Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Trad. Carlos Nougué. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.
KAMENSZAIN, Tamara. Una intimidad inofensiva. Los que escriben con lo que hay. Buenos Aires: Eterna Cadência, 2016.
KAMENSZAIN, Tamara. Os que escrevem com pouco. Trad. Luciana de Leone. Rio de Janeiro: Zazie edições, 2019.
LADDAGA, Reinaldo. Estética da emergência. A formação de outra cultura das artes. Trad Magda Lopes. São Paulo: Martins Fontes, 2012.
LADDAGA, Reinaldo. Espectáculos de realidad. Ensayo sobre la narrativa latinoamericana de las últimas décadas. Rosário: Beatriz Viterbo Editora, 2007.
LADDAGA, Reinaldo. Estética de laboratório. Estratégias das artes do presente. Trad. Magda Lopes. São Paulo: Martins Fontes, 2013.
LUDMER, Josefina. Aquí América latina. Una especulación. Buenos Aires: Eterna Cadência, 2010.
MAGRI, Ieda. Da dificuldade de nomear a produção do presente: a literatura como arte contemporânea — Matraga, Rio de Janeiro, n. 50, v. 28, 2020.
MAGRI, Ieda. Sobre a dificuldade de nomear a produção do presente: Rancière e Laddaga e os regimes das artes. Aletria, Belo Horizonte: n. 29, v. 3, 2019.
MAGRI, Ieda. Literatura e autonomia: uma leitura a partir do posicionamento de Roberto Bolaño. Revista Landa, Florianópolis, v. 1, n. 2, 2013.
PAULS, Alan. Temas lentos. Chile: Ediciones Universidad Diego Portales, 2012.
PEDROSA, Célia; KLINGER, Diana; WOLFF, Jorge; CÁMARA, Mário. (org). Indicionário do contemporâneo. Belo Horizonte; UFMG, 2018.
PLATÃO. A república. Trad. Leonel Vallandro. Rio de Janeiro: EDIOURO, s/d.
RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. Trad. Mônica Costa Neto. São Paulo: Editora 34, 2005.
RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa, v. I. Campinas: Papirus, 1994.
ROSA, João Guimarães. Estas estórias. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2015.
RUFFEL, Lionel. Zum, zum, zum: estudo sobre o nome contemporâneo. Revista Celeuma, n. 4, maio de 2014. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/celeuma/article/view/87724
SPERANZA, Graciela. Fuera de campo. Literatura y arte argentinos después de Duchamp. Barcelona: Anagrama, 2006.
SPERANZA, Graciela. Cronografías: arte y literatura en un tiempo sin tiempo. Barcelona: Anagrama, 2017.

Sponsored Post Learn from the experts: Create a successful blog with our brand new courseThe WordPress.com Blog

WordPress.com is excited to announce our newest offering: a course just for beginning bloggers where you’ll learn everything you need to know about blogging from the most trusted experts in the industry. We have helped millions of blogs get up and running, we know what works, and we want you to to know everything we know. This course provides all the fundamental skills and inspiration you need to get your blog started, an interactive community forum, and content updated annually.

Prática de Interpretação de Textos I – 2020.1 Regime especial

Ementa: Leituras teóricas sobre a construção da interpretação e exercícios de interpretação a partir de problemas colocados por alguma ficção e poesia recentes.

Todos os textos estão na entrada da disciplina no blog https://iedamagri.wordpress.com/2020/02/11/pratica-de-interpretacao-de-textos-i-2020-1/ e a leitura é indispensável.
As aulas serão em grande parte síncronas, às terças, das 15:10 às 17h e os encontros serão pelo google meet: https://meet.google.com/tng-thqr-txd

Princípios básicos
Aula 1 (15/09) — Modos de ler — apresentação do curso e comentários a partir de um texto de Josefina Ludmer Ludmer-Clases-1985-Algunos-Problemas-de-Teoria-Literaria
Aula 2 (22/09) — Lendo imagens, de Alberto Manguel – capítulo “O espectador comum: A imagem como narrativa”: lendo imagens- Alberto Manguel
Aula 3 (29/09) — Pensar a escrita crítica: Criação e crítica, Eduardo F. Coutinho: Criação e crítica- reflexões sobre o papel do crítico literário, Eduardo Coutinho
Aula 4 (06/10) — Modos de olhar, modos de ler: Fórum de discussão do documentário brasileiro Janela da alma, dirigido por João Jardim e Walter Carvalho, 2001. Nota 1

Ensaios de olhar: “Bruta aventura em versos”
Aula 5 (13/10) — Ana Martins Marques: poemas selecionados dos livros A vida submarina (2009), Da arte das armadilhas (2011) e O livro das semelhanças (2015). Seleção de poemas de Ana Martins Marques
Aula 6 (20/10) — Angélica Freitas: poemas selecionados do livro Um útero é do tamanho de um punho (2013). Angelica-Freitas-Um-Utero-E-Do-Tamanho-de-Um-Punho
Leitura complementar: Pensamento feminista: conceitos fundamentais, organização Heloísa Buarque de Hollanda ─ “Atos performáticos e a formação dos gêneros: um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista”, de Judith Butler. pensamento feminista conceitos fundamentais – org. Heloisa Buarque de Hollanda
Aula 7 (27/10) — Marília Garcia: “parque das ruínas” do livro homônimo (2018).Parque das ruínas – Marília Garcia + posfácio livro parque das ruínas, por Joana Matos Frias
Sugestão complementar: parque das ruínas (versão ao vivo “tem país na paisagem?”). Disponível no youtube.
Aula 8 (03/11) — Atrás dos olhos pardos: uma leitura da poesia de Ana Cristina Cesar, de Maria Lucia de Barros Camargo (Capítulo III Aprendizagem) Atrás dos olhos pardos – Maria Lucia de Barros Camargo
Sugestão complementar: Documentário brasileiro Bruta Aventura em versos, dirigido por Letícia Simões, 2011. Disponível no youtube.

Ensaios de olhar: prosa
Aula 9 (10/11) — Guimarães Rosa: conto “A terceira margem do rio” do livro Primeiras estórias. Guimarães Rosa – primeiras estórias
Aula 10 (17/11) — Machado de Assis: conto “O espelho”.  O espelho Machado de Assis
Aula 11 (24/11) — Graciliano Ramos: capítulos “Mudança” e “Baleia” de Vidas Secas. Vidas Secas – Graciliano Ramos
Leitura complementar: Posfácio “Inferno, alpercata: trabalho e liberdade em Vidas Secas”, de Hermenegildo Bastos. Posfácio Inferno, alpercata trabalho e liberdade em Vidas secas, de Hermenegildo Bastos

Entrega da análise escrita de um texto literário dos autores propostos, articulando com um dos textos teóricos do curso: 27 de novembro, sexta

Aula 12 (01/12) — Contos “A moça tecelã”, de Marina Colasanti e “Os sapatinhos vermelhos”, na versão contada por Clarissa Pinkola Estés. a moça tecelã – Marina Colasanti
Leitura complementar: Mulheres que correm com os lobos: Mitos e históricas do arquétipo da mulher selvagem, de Clarissa Pinkola Estés – capítulo 8 “A preservação do Self: A identificação de armadilhas, arapucas e iscas envenenadas”. Mulheres que correm com os lobos análise os sapatinhos vermelhos – Clarissa Pinkolas Estés
Aula 13 (08/12) — Fórum de discussão de um dos textos do curso. Nota final.

Referências bibliográficas

ASSIS, Machado de. “O espelho”. In: Missa do galo/ seguido dos contos/ O espelho/ …/. Porto Alegre: L&PM, 2012.
BUTLER, Judith. “Atos performáticos e a formação dos gêneros: um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista”. In: Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Organização Heloisa Buarque de Hollanda. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.
CAMARGO, Maria Lúcia de Barros. Atrás dos olhos pardos: uma leitura da poesia de Ana Cristina Cesar. Chapecó: Argos, 2003.
CESAR, Ana Cristina. Poética. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.
COLASANTI, Marina. Doze reis e a moça no labirinto do vento. São Paulo: Global, 2006.
ÉSTES, Clarissa Pinkola. Mulheres que correm com os lobos: mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem. Trad. Waldéa Barcellos. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.
FREITAS, Angélica. Um útero é do tamanho de um punho. São Paulo: Cosac Naify, 2013.
GARCIA, Marília. Parque das ruínas. São Paulo: Luna Parque, 2018.
MARQUES, Ana Martins. A vida submarina. Belo Horizonte: Scriptum, 2009.
______. Da arte das armadilhas. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.
______. O livro das semelhanças. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. Posfácio de Hermenegildo Bastos. Rio de Janeiro: Record, 2009.
ROSA, João Guimarães. Primeiras estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

Teoria da literatura III – 2020.1- Regime especial

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – UERJ
CULT – Departamento de Teoria Literária e Literatura Brasileira
Plano da disciplina: Teoria da literatura III
Professora: Ieda Magri — Semestre: 2020.1   Terças: 18:50 às 20:30

Encontros pelo google meet: meet.google.com/bqy-cywp-srn

Ementa: Diferentes correntes teóricas do século XX à atualidade: new criticism, formalismo russo, teoria crítica, estruturalismo e pós-estruturalismo, desconstrução e estudos culturais.

Aula 1: 15 de setembro: apresentação do curso Ludmer-Clases-1985-Algunos-Problemas-de-Teoria-Literaria
Aula 2: Formalismo russo
B. Eikenbaum. Teoria do método formal Aula3_-Teoria-Do-Metodo-Formal

Aulas 3 e 4: Estruturalismo, pós-estruturalismo

29 de setembro: Todorov, Tzvetan. “Análise estrutural da narrativa”, de  As estruturas narrativas: TODOROV -As estruturas narrativas

06 de outubro: Barthes, Roland.  “Teoria do texto”_Barthes-Teoria-do-Texto
Material de apoio: Eagleton, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. Capítulos 3 e 4: Eagleton. O pos-estruturalismo

Aulas 5 e 6: Desconstrução
13 de outubro: Siscar, Marcos. “A desconstrucao de Jacques Derrida
20 de outubro: Derrida, Jacques. Gramatologia Cap. 1: “O fim do livro e o começo da escritura” Derrida-Gramatologia
Material de apoio: Silviano Santiago. Glossário de Derrida Santiago-Glossario-de-Derrida

27 de outubro:  Aula 7: fórum de discussão teoria e linguagem (avaliação 1, peso 10)

Aulas 8 e 9: Literatura e sociedade (Escola de Frankfurt)
03 de novembro: Benjamin, Walter.  A obra de arte na época da reprodutibilidade técnica
10 de novembro: Adorno, Theodor. “Ulisses ou mito e esclarecimento” Adorno_Ulisses ou mito e esclarecimento

Material de apoio: Eagleton, Terry. Marxismo e crítica literária. Cap 1: Literatura e história EAGLETON-Terry-Marxismo-e-critica-literaria

Aula 10: Estudos culturais 25/06
17 de novembro: Hall, Stuart. “Estudos culturais e seu legado teórico”Estudos culturais-Stuart-Hall

Aula 11: O Decolonial

24 de novembro: Mignolo, Walter. “Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política” (24 de nov)

Walter Mignolo_ Desobediencia epistemica

Aula 12: Mulher e literatura

01 de dezembro: Ludmer, Josefina. “O espelho universal e a perversão da fórmula” LUDMER_Espelho universal_port

Aula 13: fórum de discussão teoria e sociedade (avaliação 2, peso 10) (08 de dez)

Prova final (para quem fez as outras duas, mas não alcançou média 7,0): a combinar

Bibliografia
ADORNO, HORKHEIMER. Dialética do esclarecimento. Trad. Guido Antonio de Almeida. Rj: Jorge Zahar Editor, 1985.
BARTHES, Roland. Inéditos – Vol 1 – Teoria. Trad. Ivone Castilho Bendetti. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
CAMPOS, Haroldo de. “Serafim, um grande não-livro”. Prefácio a ANDRADE, Oswald. Serafim Ponte Grande. São Paulo: Globo, 2005.
BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas I. Magia e técnica, arte e política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.
CHKLOVSKI; EIKHENBAUM et al. Teoria da literatura: formalistas russos. POA: Ed Globo, sem ano.

COSTA LIMA. Teoria da literatura em suas fontes. V. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. Trad. Miriam Chnaiderman e Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 2008.
HALL, Stuart. Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Org. Liv Sovik. Belo Horizonte: Ed da UFMG, 2013.
RICHARDS, I. A. Princípios da crítica literária. Porto Alegre: Globo/Edusp, 1967.
SANTIAGO, Silviano. Glossário de Derrida. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.
SISCAR, Marcos. A Desconstrução de Jacques Derrida. In: BONNICI, T.; ZOLIN, L. O. (Org.). Teoria Literária: Abordagens Históricas e Tendências Contemporâneas. 1 ed. Maringá: EDUEM, 2003. p. 151-160.
TERRY, Eagleton. Teoria da literatura: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
TERRY, Eagleton. Marxismo e crítica literária. Porto:Ed. Afrontamento, 1976.
TERRY, Eagleton. Depois da teoria. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.
TODOROV, Tzvetan; BARTHES, Roland, et all. Análise estrutural da narrativa. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

Linhas de força do contemporâneo na literatura latino-americana – Mestrado 2019.2

Linhas de força do contemporâneo na literatura latino-americana
Ieda Magri
Terças, 16:10 às 19:30 – sala 62 – bloco F

[Textos no xerox do 11]

Ementa: A partir de algumas evidências colhidas na produção literária atual e nas consequentes críticas e teorizações produzidas no continente, o curso buscará ler o que conforma e disforma o que se convencionou chamar de contemporâneo em sua dificuldade mesma de nomeação. O percurso parte das teorias do contemporâneo para cinco linhas de força da literatura: 1) A literatura enquanto procedimento; 2) O mito do escritor em tensão com o autobiográfico ou o autoficcional; 3) A literatura no papel de crítica e/ou teoria; 4) A literatura que reescreve a tradição masculina e/ou nacional; 5) A literatura em seu desejo de ser arte contemporânea.

Pequena incursão num conceito
1 – Lionel Ruffel: Zum, zum, zum — Estudo sobre o nome contemporâneo (20.08) ruffel zum zum

2 – Reinaldo Laddaga e os quatro regimes da arte: Estética da emergência (27.08)
3 – O Indicionário do contemporâneo como uma produção própria do Regime Prático das artes (verbetes O contemporâneo e Pós-autonomia) (03.09)

1 – A literatura enquanto procedimento
4. César Aira e seu pequeno manual de procedimentos + Raymond Roussel, la clave unificada, de Evasión y otros ensayos + Raymond Roussel: Como escribí algunos libros mios (10.09)
5. Alejandro Zambra: Facsímil e Múltipla escolha (17.09) Zambra-Alejandro-Facsimil

2 – O mito do escritor em tensão com o autobiográfico ou o autoficcional
6. César Aira: Biografia + A confissão/La Confesion + Evasión y otros ensaios  (24.09)
7. Tamara Kamenszain: Una intimidad inofensiva, los que escriben con lo que hay + Ecos da minha mãe (01.10)
8. Ricardo Piglia: os diários de Emílio Renzi (Abertura + seleção de algumas entradas) (15.10)-(no dia 08.10 estarei num congresso em Rosário)
9. Silviano Santiago: Em liberdade (22.10)

3 – A literatura no papel de crítica e/ou teoria
10. Roberto Bolaño: 2666, A parte dos críticos (convidado: Guilherme de Carvalho)
11. Roberto Bolaño: Os detetives selvagens, poesia e crítica (convidado: Vitor Felix) (05.11)

4 – A literatura que reescreve a tradição masculina e/ou nacional
12. Gabriela Cabezón Cámara: Las-Aventuras-de-La-China-Iron  (12.11)

Leituras complementares: José Hernandez El martin Fierro/martin fierro + Borges historia do guerreiro e da cativa+ El fin borges-o fim+ Aira Cesar – Ema La Cautiva
13. Ana Martins Marques e o ciclo das Penélopes em Vida Submarina (convidada: Juliana Gelmini) e Ana Martins Marques e a tradição portuguesa (convidada: Natalia Natalino) (19.11)

5) A literatura em seu desejo de ser arte contemporânea
14. Laddaga: Espectaculos-de-realidad+ César Aira Sobre el arte contemporâneo ZAZIE+EDICOES_PEQUENA+BIBLIOTECA+DE+ENSAIOS_CESAR+AIRA_2018 (26.11)
15. Paloma Vidal e o ciclo Em obras + Verônica Stigger O Sul + Marília Garcia Parque das ruínas (03.12)
Avaliação: além do ensaio final, a disciplina prevê uma avaliação a partir das discussões apresentadas pelos inscritos em forma de seminário. Assim, cada inscrito deverá escolher um dos livros do curso para a sua apresentação.
Observação: alguns textos não têm tradução para o português. É recomendável o conhecimento do espanhol.
Bibliografia básica
AIRA. César. La confesión. Buenos Aires: Beatriz Viterbo, 2009.
AIRA, César. Evasión y otros ensayos. Buenos Aires: Literatura Handom House, 2018.
AIRA, César. Ema la cautiva. Buenos Aires: Literatura Handom House, 2015.
AIRA, César. Sobre el arte contemporáneo seguido de En la Habana. Buenos Aires: Literatura Handom House, 2018.
BOLAÑO, Roberto. Os detetives selvagens. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
BOLAÑO, Roberto. 2666. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.
BORGES, Jorge Luis. História universal de la infamia. Trad. Davi Arrigucci Jr. São Paulo: Cia das Letras, 2012.
CABEZÓN CÁMARA, Gabriela. Las aventuras de la China Iron. 2.ed. Buenos Aires: Literatura Handom House, 2017.
GARCIA, Marília. Parque das ruínas. São Paulo: Luna Parque, 2018
HERNANDEZ, José. Martin Fierro. Madrid: Scipione, 2001.
HERNANDEZ, José. Martín Fierro. Trad. Walmir Ayala. Rio de Janeiro: Ediouro, 1991.
KAMENSZAIN, Tamara. Una intimidad inofensiva. Los que escriben con lo que hay. Buenos Aires: Eterna Cadência, 2016.
LADDAGA, Reinaldo. Estética da emergência. A formação de outra cultura das artes. Trad Magda Lopes. São Paulo: Martins Fontes, 2012.
LADDAGA, Reinaldo. Espectáculos de realidad. Ensayo sobre la narrativa latinoamericana de las últimas décadas. Rosário: Beatriz Viterbo Editora, 2007.
PEDROSA, Célia; KLINGER, Diana; WOLFF, Jorge; CÁMARA, Mário. (org). Indicionário do contemporâneo. Belo Horizonte; UFMG, 2018.
PIGLIA, Ricardo. Os diários de Emílio Renzi. Anos de formação. Trad. Sérgio Molina. São Paulo: Todavia, 2017.
PIGLIA, Ricardo. Os diários de Emílio Renzi. Os anos felizes. Trad. Sérgio Molina. São Paulo: Todavia, 2018.
RUFFEL, Lionel. Zum, zum, zum: estudo sobre o nome contemporâneo. Revista Celeuma, n. 4, maio de 2014. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/celeuma/article/view/87724
ROUSSEL, Raymond. Cómo escribí algunos libros míos. Trad para o espanhol: Traducción de Pere Gimferrer. Publicada originalmente em “Impresiones de África”. Disponível em: http://www.elboomeran.com/upload/ficheros/noticias/russell.pdf
SANTIAGO, Silviano. O falso mentiroso: memórias. Rio de Janeiro: Rocco, 2004
STIGGER, Verônica. Sul. São Paulo: editora 34, 2016.
VIDAL, Paloma. Em obras. Ciclo de palestras performáticas. In: https://cicloemobras.wordpress.com/
ZAMBRA, Alejandro. Facsímil. Facsímil: libro de ejercicios. Buenos Aires: Eterna Cadencia, 2015.
ZAMBRA, Alejandro. Múltipla Escolha. São Paulo: Planeta do Brasil, 2017.

Bibliografia complementar
AZEVEDO, Luciene; MOLINA, Cristian; VIDAL, Paloma. Revista de Literatura Brasileira Contemporânea. n. 55 (2018): Autoria na Cultura do Presente. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/estudos/issue/view/1345
BOLAÑO, Roberto. Entre parenteses. Ensayos, artículos y discursos (1998-2003). Barcelona: Anagrama, 2004.
BOLAÑO, Roberto. Noturno do Chile. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
BOLAÑO, Roberto. A literatura nazi nas américas. Trad: Cristina Rodrigues e Artur Guerra. Lisboa, Quetzal, 2010.
BORGES, Jorge Luis. Ficções. Trad. Davi Arrigucci Jr. São Paulo: Cia das Letras, 2007.
CONTRERAS, Sandra. En torno al realismo y otros ensayos. Rosário: Nube Negra Ediciones, 2018.
GARRAMUÑO, Florencia. La experiencia opaca. Literatura y desencanto. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2009.
LADDAGA, Reinaldo. Estética de laboratório. Estratégias das artes do presente. Trad. Magda Lopes. São Paulo: Martins Fontes, 2013.
LUDMER, Josefina. Aquí América latina. Una especulación. Buenos Aires: Eterna Cadência, 2010.
MAGRI, Ieda. Sobre a dificuldade de nomear a produção do presente: Rancière e Laddaga. Sem publicação.
MAGRI, Ieda. César Aira e as histórias que se fazem sozinhas. In: MELLO, Luiza Laranjeira da Silva et all (Org). Reinvenções da narrativa. Rio de Janeiro: PUC, 2019.
PEREIRA, Antonio Marcos; SILVEIRA RIBEIRO, Gustavo (org.). Toda a orfandade do mundo. Escritos sobre Roberto Bolaño. Belo Horizonte: Relicário, 2016.
RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. Trad. Mônica Costa Neto. São Paulo: Editora 34, 2005.

Teoria 4 – 2019.2

Ementa: Tópicos sobre teorias do contemporâneo e literatura latino-americana.

Obs.: a maioria dos textos não está disponível na internet. Mas todos estão na pasta da professora no xerox do andar 11.

Aula 1: Apresentação da disciplina: objetivos, programa, cronograma, bibliografia e avaliação;
Aulas 2 e 3: Lionel Ruffel: Zum, zum, zum — Estudo sobre o nome contemporâneo ruffel zum zum

Aulas 4 e 5: Verbete O contemporâneo, do Indicionário do contemporâneo
Aula 6: Ítalo Moriconi: Circuitos contemporâneos do literário circuitos contemporaneos do literario
Aula 7: Josefina Ludmer: Literaturas autônomas
Aula 8: Josefina Ludmer: Literaturas pós-autônomas literaturas pos autonomas 

Aula 9: Florência Garramuño: A inespecificidade na literatura contemporânea. Ler cap 1: práticas da impertinência: Garramuno-Florencia-Frutos-estranhos
Aula 10: Literatura e verdade: O boxeador polaco, de Eduardo Halfon
Aula 11: Seminário sobre César Aira: literatura e procedimento: livros em português a escolher: A confissão; A costureira e o vento; Como me tornei freira; Os fantasmas; Noites de flores Como me tornei freira e A costureira e o vento
Aula 12: Seminário sobre poesia: Monodrama, AZEVEDO-Carlito-Monodrama-pdf de Carlito Azevedo e O eco de minha mãe, de Tamara KamenszainKAMENSZAIN, Tamara. O eco da minha mãe
Aula 13: Seminário sobre Literatura e performance: Parque das ruínas, Tem-Pais-Na-Paisagem- de Marília Garcia; Lugares onde não estou, de Paloma Vidal ; Uma mulher, Flávia Péret. Em obras: Ciclo de palestras performáticas.
Aula 14: Escrita não criativa: Escrever sem escrever: literatura e apropriação, Leonardo Villa-forte (o autor estará na Uerj)
Aula 15: Avaliação final

Avaliação: nota na apresentação e do trabalho escrito do seminário escolhido. Obs.: A disciplina reprova por faltas. Presença mínima: 70%.

Bibliografia
AIRA. César. La confesión. Buenos Aires: Beatriz Viterbo, 2009.
AIRA, César. A confissão. Trad. Hugo Almeida, Ieda Magri, Juliana Ribeiro, Mariana Teixeira. Sem publicação.
AIRA, César. Como me tornei freira, seguido de A costureira e o vento. Trad. Angélica Freitas. Rio de Janeiro, Rocco, 2013.
AIRA, César. Os fantasmas. Trad. Joca Wolff. Rio de Janeiro: Rocco, 2017.
AIRA, César. As noites de flores. Trad. Paulo Andrade Lemos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.
BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. Gênese e estrutura do campo literário. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
GARCIA. Marília. Parque das ruínas. São Paulo: Luna Parque, 2018
GARRAMUÑO, Florencia. Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Trad. Carlos Nougué. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.
HALFON, Eduardo. O boxeador polaco. Trad. Lui Fagundes. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.
KAMENSZAIN, Tamara. Una intimidad inofensiva. Los que escriben con lo que hay. Buenos Aires: Eterna Cadência, 2016.
KAMENSZAIN, Tamara. O livro dos divãs. Trad. Carlito Azevedo e Paloma Vidal. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2015.
LUDMER, Josefina. Aqui América latina. Uma especulação. Belo Horizonte: UFMG, 2010.
MAGRI, Ieda. César Aira e as histórias que se fazem sozinhas. In: MELLO, Luiza Laranjeira da Silva et all (Org). Reinvenções da narrativa. Rio de Janeiro: PUC, 2019.
MORICONI, Ítalo. “Circuitos contemporâneos do literário”. Gragoatá (UFF), v. 20, p. 147-163, 2006.
PEDROSA, Célia; KLINGER, Diana; WOLFF, Jorge; CÁMARA, Mário. (org). Indicionário do contemporâneo. Belo Horizonte; UFMG, 2018.
PERET, Flávia. http://umamulher.org/umaMulher.html
RUFFEL, Lionel. Zum, zum, zum: estudo sobre o nome contemporâneo. Revista Celeuma, n. 4, maio de 2014. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/celeuma/article/view/87724
VILLA-FORTE, Leonardo. Escrever sem escrever: literatura e apropriação. Belo Horizonte: Relicário, 2019.
VIDAL, Paloma. Em obras. Ciclo de palestras performáticas. In: https://cicloemobras.wordpress.com/
VIDAL, Paloma. Dois. Lugares onde não estou (coleção). Rio de Janeiro: 7 Letras, 2015.
VIDAL, Paloma. Durante. Lugares onde não estou (coleção). Rio de Janeiro: 7 Letras, 2015.
VIDAL, Paloma. Wyoming. Lugares onde não estou (coleção). Rio de Janeiro: 7 Letras, 2018.
VIDAL, Paloma. Menini. Lugares onde não estou (coleção). Rio de Janeiro: 7 Letras, 2018.
VIDAL, Paloma; PESSOA, Elisa. Dupla exposição. Rio de Janeiro: Rocco, 2015.

Teoria 2 – 2019.2

Ementa:
=> Os sentidos da reflexão sobre literatura => Questões de história e literatura
=> Questões de crítica literária => A análise e a interpretação literária

— Aula 1: apresentação do curso: Il fuoco e il racconto (AGAMBEN, 2014)

História e literatura
Aula 2 — “A observação séria”, (WOOD, 2017) na pasta 541, xerox do andar 11
Aula 3 — “Verdade, convenção, realismo” (WOOD, 2012) WOOD.
Aula 4 — “O discurso da História” (BARTHES, 2004) BARTHES, Roland. O discurso
Aula 5 — “O texto histórico como artefato literário” (WHITE, 2014) Hayden-White-O-texto-historico-como-artefato-literario

Concepções de Ficção
Aula 6 — Bosques possíveis (ECO, 1994) ECO, Umberto. Bosques Pos…
Aula 7 — “O conceito de ficção” — Juan José Saer (SAER, 2012 ) TraducaoSaer-versaofinal
Aulas 08 e 09 — “O fictício e o imaginário” (ISER, 1999) ISER, Wolfgang. O ficticio e o imaginario.

Aula 10 — Prova 1 (A segunda chamada é na aula seguinte).

Aulas 11 e 12 — “O foco narrativo” (CHIAPPINI, 2002) Ler cap 1: foco-narrativo

Aulas 13 e 14 — “O ponto de vista na ficção. O desenvolvimento de um conceito” (FRIEDMAN, 2002) fredman_os pontos de vista da ficcao
Aulas 15 a 19 — Seminários sobre Pelos olhos de Maisie, de Henry James (JAMES, 2010)
(Cada grupo deve escolher um capítulo para analisar: foco narrativo e ponto de vista)Henry-James-Pelos-Olhos-de-Maisie

Literatura e valor
Aula 20 — “Tradição e talento individual” (ELIOT, 1989). ELIOT, T. S. Tradição e talento individual
Aulas 21 e 22 — Valores modernos — (PERRONE-MOISÉS, 1998) PERRONE-MOISES-Leyla-valores modernos
Aulas 23 e 24 — “O valor” (COMPAGNON, 1999) COMPAGNON-valor

Questões da crítica: análise e interpretação
Aulas 25 e 26 — Linguagem, sentido, interpretação (CULLER, 1999) CULLER__linguagem
Aula 27 — Criação e crítica (COUTINHO, 2014) Criação e crítica- reflexões sobre o papel do crítico literário, Eduardo Coutinho
Aula 28 — Reservada para revisão dos conteúdos
Aula 29 — Prova 2
Aula 30 — Avaliação da disciplina e entrega de notas

Avaliação: nota do seminário + nota das provas. A participação em sala também servirá de auxílio na avaliação do desempenho do aluno. Será cobrada presença. Frequência mínima de 70% das aulas.

Bibliografia
AGAMBEN, Giorgio. Il fuoco e il racconto. Roma: Nottetempo, 2014.
ANDRADE, Maria Lucia C.V. Resenha. São Paulo: Paulistana, 2006.
BARTHES, Roland. O rumor da língua. Trad. Mario Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
CHIAPPINI, Lygia. O foco narrativo. Ou a polêmica em torno da ilusão. São Paulo: Ática, 2002.
COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Trad. Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte, Editora da UFMG, 1999.
COUTINHO, Eduardo F. Literatura Comparada — Reflexões. Rio de Janeiro: Anablume, 2014.
CULLER, Jonathan. Teoria literária, uma introdução.Trad. Sandra Vasconcelos. São Paulo: Beca Produções Culturais, 1999.
ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. Trad. Hildegard Feist. São Paulo: Cia das Letras, 1994.
ELIOT, T. S. Tradição e talento individual. In.___. Ensaios. São Paulo: Art Editora, 1989. pp. 37-48.
FRIEDMAN, Norman. O ponto de vista na ficção. O desenvolvimento de um conceito. In: Revista USP, SP, n. 53, p. 166-182, março/maio 2002. Trad. Fábio Fonseca de Melo.
ISER, W. O fictício e o imaginário. In:__. ROCHA, J.C.C. Teoria da ficção: indagações à obra de Wolfgang Iser. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999. pp. 65-77.
JAMES, Henry. Pelos olhos de Maisie. Trad. Paulo Henriques Britto. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2010.
JAMES, Henry. “Henry James comenta Pelos olhos de Maisie.” In.: JAMES, Henry. Pelos olhos de Maisie. Trad. Paulo Henriques Britto. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2010, p. 373-388.
PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas Literaturas. São Paulo: Cia das Letras, 1998.
SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos. Ensaios sobre dependência cultural. São Paulo: Perspectiva, 1978.
SAER, Juan José. “O conceito de ficção”. Revista FronteiraZ, São Paulo, n. 8, julho de 2012. WHITE, Hyden. “O texto histórico como artefato literário” . In: Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. Trad. Alípio Correia de Franca Neto. São Paulo: Editora da USP, 2014. pp. 97 -116.
WOOD, James. Verdade, convenção, realismo. In. Como funciona a ficção?. São Paulo: Cosac Naify, 2012. pp. 181- 199.
WOOD, James. A observação séria. In. A coisa mais próxima da vida.Trad. Célia Euvaldo. São Paulo: Sesi-SP Editora, 2017. pp. 37- 65.

Teoria II – 2018.2

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – UERJ
CULT – Departamento de Teoria Literária e Literatura Brasileira
Plano da disciplina: Teoria da literatura II
Professora: Ieda Magri — Semestre: 2018.2
Ementa:
=> Os sentidos da reflexão sobre literatura => Questões de história e literatura
=> Questões de crítica literária => A análise e a interpretação literária

11.9 — Aula 1: apresentação do curso: Il fuoco e il racconto (AGAMBEN, 2014)

História e literatura
13.9 — “Verdade, convenção, realismo” (WOOD, 2012) WOOD.
18.9 e 20.9 — “O discurso da História ” (BARTHES, 2004)BARTHES, Roland.

Concepções de Ficção
25 e 27. 9 — Bosques possíveis (ECO, 1994) ECO, Umberto.
02 e 4. 10 — “O fictício e o imaginário” (ISER, 1999)ISER, Wolfgang.
9 e 11.10 — “Ficção” — Katherine Gallagher (MORETTI, 2009) Gallagher-Ficcao
16 e 18.10 — O ponto de vista na ficção. O desenvolvimento de um conceito (FRIEDMAN, 2002) fredman_os pontos de vista da ficcao
23 e 25.10 — Discussão de Pelos olhos de Maisie, de Henry James (JAMES, 2010) Henry-James-Pelos-Olhos-de-Maisie

30 de outubro: Entrega do trabalho 1 — Resenha e comentário de Pelos olhos de Maisie, os comentários do autor e um dos textos sobre as concepções de ficção.

Literatura e valor
30.10 — “Tradição e talento individual” (ELIOT, 1989). ELIOT, T. S. Tradição e talento individual
6 e 8. 11 — Valores modernos — (PERRONE-MOISÉS, 1998) PERRONE-MOISES
13 e 22. 11 — “O valor” (COMPAGNON, 1999) COMPAGNON-valor

Questões da crítica: análise e interpretação
27 e 29.11 — Linguagem, sentido, interpretação (CULLER, 1999) CULLER__linguagem
4 e 6. 12 — Análise e interpretação (SANTIAGO, 1978) SSantiago
11 e 13. 12 — Criação e crítica (COUTINHO, 2014) Eduardo Coutinho
18 e 20.12 — prova final

Avaliação: nota do trabalho + prova final. A participação em sala também servirá de auxílio na avaliação do desempenho do aluno. Será cobrada presença. Frequência mínima de 70% das aulas.

Bibliografia
AGAMBEN, Giorgio. Il fuoco e il racconto. Roma: Nottetempo, 2014.
ANDRADE, Maria Lucia C.V. Resenha. São Paulo: Paulistana, 2006.
BARTHES, Roland. O rumor da língua. Trad. Mario Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Trad. Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte, Editora da UFMG, 1999.
COUTINHO, Eduardo F. Literatura Comparada — Reflexões. Rio de Janeiro: Anablume, 2014.
CULLER, Jonathan. Teoria literária, uma introdução.Trad. Sandra Vasconcelos. São Paulo: Beca Produções Culturais, 1999.
ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. Trad. Hildegard Feist. São Paulo: Cia das Letras, 1994.
ELIOT, T. S. Tradição e talento individual. In.___. Ensaios. São Paulo: Art Editora, 1989. pp. 37-48.
FRIEDMAN, Norman. O ponto de vista na ficção. O desenvolvimento de um conceito. In: Revista USP, SP, n. 53, p. 166-182, março/maio 2002. Trad. Fábio Fonseca de Melo.
GALLAGHER, Katherine. “Ficção”. In: MORETTI (Org.). A cultura do romance. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Cosac Naify, 2009.
ISER, W. O fictício e o imaginário. In:__. ROCHA, J.C.C. Teoria da ficção: indagações à obra de Wolfgang Iser. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999. pp. 65-77.
JAMES, Henry. Pelos olhos de Maisie. Trad. Paulo Henriques Britto. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2010.
JAMES, Henry. “Henry James comenta Pelos olhos de Maisie.” In.: JAMES, Henry. Pelos olhos de Maisie. Trad. Paulo Henriques Britto. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2010, p. 373-388.
PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas Literaturas. São Paulo: Cia das Letras, 1998.
SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos. Ensaios sobre dependência cultural. São Paulo: Perspectiva, 1978.
WOOD, James. Verdade, convenção, realismo. In. Como funciona a ficção?. São Paulo: Cosac Naify, 2012. pp. 181- 199.

LITERATURA CONTEMPORÂNEA NA AMÉRICA LATINA – mestrado

EMENTA
O curso propõe uma reflexão sobre o contemporâneo enquanto conceito e suas implicações em alguma literatura atual na América Latina. A partir da pergunta sobre o tempo em que vivemos e as (in) especificidades da literatura, a ideia de contemporâneo vai ganhando contorno: o de uma literatura fora de si, pós-autônoma, implicada com formas deformantes, entre experiência e experimentalismo, exibição do procedimento e processos de construção da figura do autor.

PROGRAMA
24.4 – Apresentação do curso
I – Algumas ideias sobre o contemporâneo e a literatura
08.5 – Agamben e Didi-Huberman: o escuro e os vaga-lumes O que e o contemporaneo_Agamben + Sobrevivencia-Dos-Vaga-Lumes
15.5 – Rancière e uma pergunta para pensar a arte: “Em que tempo vivemos?”
22.5 – A partilha do sensível, o dissenso e as políticas da arte: partilha do sensivel + dissenso + espectador emancipado
29.5 – Josefina Ludmer: “Pensar sincro”; Pós-autonomia — Aqui América Latina
05.6 – A inespecificidade, a literatura expandida, estética da emergência: Florência Garramuño + Reinaldo Laddaga

II – Implicações do contemporâneo na literatura Latino Americana
12.6 – César Aira: o procedimento
19.6 – Roberto Bolaño: literatura, experiência e crítica
26.6 – Ricardo Piglia: o diário como laboratório da escrita e livro da vida
03.7 – Diamela Eltit + Lina Meruane + Guadalupe Nettel: literatura a partir do corpo

III – Pensamento crítico brasileiro e literatura contemporânea
10.7 – A modernidade em ruínas: Leyla Perrone-MoisésPERRONE-MOISES-Leyla-Altas-literaturas
17.7 – Panorama (narrativas): Beatriz Resende Possibilidades da nova escrita literária no Brasil

Karl Eric Shollammer SCHOLLHAMMER- Karl Erik – SCHOLLHAMMER- Karl Erik – Ficcao brasileira contemporanea

24.7 – Panorama (poesia e “objetos estéticos”): Flora Sussekind, Objetos verbais não identificados: um ensaio de Flora Süssekind – Prosa: O Globo

Marcos Siscar, A cisma da poesia_Siscar
31.7 – Três autores brasileiros na América Latina – Paloma Vidal (Algum Lugar) + Verônica Stigger (Opsinae Sviata) + J. P. Cuenca (Descobri que estava morto)

07.8 – Apresentação das propostas de trabalho dos inscritos no curso
14.8 (aula extra)

REFERÊNCIAS
AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Trad. Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó, 2009.
AIRA. César. Continuação de ideias diversas. Trad. Joca Wolff. Rio de Janeiro: Papéis selvagens, 2017.
AIRA. César. Pequeno manual de procedimentos. Trad. Eduard Marquardt. Curitiba: Arte e Letra, 2007.
AIRA. César. La confesión. Buenos Aires: Beatriz Viterbo, 2009.
BOLAÑO, Roberto. Entre parenteses. Ensayos, artículos y discursos (1998-2003). Barcelona: Anagrama, 2004.
BOLAÑO, Roberto. Os detetives selvagens. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
BOLAÑO, Roberto. 2666. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.
CUENCA, João Paulo. Descobri que estava morto. Rio de Janeiro: Planeta, 2016.
DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.
ELTIT, Diamela. Jamais o fogo nunca. Trad. Julián Fuks. Belo Horizonte, Relicário, 2017.
GARRAMUÑO, Florencia. La experiencia opaca. Literatura y desencanto. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2009.
GARRAMUÑO, Florencia. Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Trad. Carlos Nougué. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.
LADDAGA, Reinaldo. Estética de laboratório. Estratégias das artes do presente. Trad. Magda Lopes. São Paulo: Martins Fontes, 2013.
LADDAGA, Reinaldo. Estética da emergência. A formação de outra cultura das artes. Trad Magda Lopes. São Paulo: Martins Fontes, 2012.
LUDMER, Josefina. Aqui América latina. Uma especulação. Trad. Rômulo Monte Alto. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.
MERUANE, Lina. Sangue no olho. Trad. Josely Vianna Baptista. São Paulo: Cosac Naif, 2015.
NETTEL, Guadalupe. O corpo em que nasci. Trad. Ronaldo Bressane. Rio de janeiro: Rocco, 2013.
OLINTO, Heidrun Krieger; SCHØLLHAMMER. Karl Erik; SIMONI, Mariana. (orgs.) Literatura e artes na crítica contemporânea. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, 2016.
PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas Literaturas. São Paulo: Cia das Letras, 1998.
PIGLIA, Ricardo. Os diários de Emilio Renzi: os anos de formação. Trad. Sérgio Molina. São Paulo: Todavia, 2017.
RANCIÈRE, Jacques. Em que tempo vivemos? In: Revista Serrote. n. 16, março de 2014, p. 203-222. Trad. Donaldson M. Garschagen.
RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. Trad. Ivone C. Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2014.
RESENDE, Beatriz; FINAZZI-AGRÓ, Ettore (Org.) Possibilidades da nova escrita literária no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2014.
SCHØLLHAMMER. Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.
SISCAR, Marcos. “O discurso da crise e a democracia por vir”. In: Poesia e crise. Campinas, São Paulo: Editora da Unicampi, 2010.
STIGGER, Verônica. Sul. São Paulo: Editora 34, 2016.
STIGGER, Verônica. Opisanie świata. São Paulo: Cosac Naify, 2013.
SUSSEKIND, Flora. Coros dissonantes: objetos verbais não identificados na literatura brasileira contemporânea. In: LINS, Vera; PENJON, Jacqueline; SUSSEKIND, Flora (Orgs.). Interpretações literárias do Brasil moderno e contemporâneo. Rio de Janeiro: 7Letras, 2014
VIDAL, Paloma. Algum lugar. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.

AVALIAÇÃO
Apresentação de pelo menos um seminário durante o curso (a escolher entre textos teóricos e ficcionais)
Monografia ao final do curso a partir dos temas e da bibliografia discutidos.

Técnicas de pesquisa 2018.2

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – UERJ
CULT – Departamento de Teoria Literária e Literatura Brasileira
Plano da disciplina: TÉCNICAS DE PESQUISA DE FONTES BIBLIOGRÁFICAS E VIRTUAIS
Professora: Ieda Magri
Semestre: 2018.2

Ementa: Disciplina prática, com pesquisa de autores contemporâneos

Aula 1: apresentação da disciplina e proposta de trabalho
Aula 2: apresentação da pesquisa A literatura contemporânea no contexto da América Latina
Aula 3: os prêmios literários brasileiros  A política dos prêmios literários   +  o romance conforme os premios 
Aula 4: Leyla Perrone-Moisés – Valores modernos: PERRONE-MOISES-Leyla-valores modernos
Aula 5: Josefina Ludmer – Valores contemporâneos: literaturas pos autonomas
Aula 6 – Uma leitura do contemporâneo com Beatriz Resende e Flora Sussekind:  Possibilidades da nova escrita literária no Brasil + Objetos verbais não identificados: um ensaio de Flora Süssekind – Prosa: O Globo

Aulas 7 a 15: apresentações individuais do autor e livro escolhido a partir dos prêmios literários estudados

Texto orientador para a produção da resenha: como fazer uma resenha academica
Ficha orientadora para a pesquisa do autor/livro: Ficha para pesquisa de autores

Avaliação
Nota 1: apresentação oral
Nota 2: resenha do autor/livro escolhido
Nota final: resultado da soma entre notas 1 e 2, divido por 2

 

REFERÊNCIAS

ANDRADE, Maria Lucia C.V. Resenha. São Paulo: Paulistana, 2006.
LINS, Vera; PENJON, Jacqueline; SUSSEKIND, Flora. Interpretações literárias do Brasil moderno e contemporâneo. Rio de Janeiro: 7Letras, 2014.
LUDMER, Josefina. Aqui América latina. Uma especulação. Trad. Rômulo Monte Alto. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.
RESENDE, Beatriz; FINAZZI-AGRÓ, Ettore (Org.) Possibilidades da nova escrita literária no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2014.
PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas Literaturas. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

Teoria II — 2017.2 (abril a agosto de 2018)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – UERJ
CULT – Departamento de Teoria Literária e Literatura Brasileira
Plano da disciplina: Teoria da Literatura 2
Professora: Ieda Magri — Semestre: 2017/2 + 2018/01 — abril a agosto de 2018

(Textos na pasta da professora (541) no xerox do andar 11. É necessário estar com os textos na sala de aula, em todas as aulas.)

Aulas 1: apresentação da disciplina

A poética clássica: mímesis, gêneros literários
Aula 2: Livro 3 de A República, de Platão: platao-a-republica-livro 3
Aulas 3 e 4: Livro 10 de A República, de Platão: platao-a-republica_livro 10
Aulas 5 e 6: Livro 1 da Odisseia: (Procurar comprar a trad. de  Donaldo Schüler, da LP&M. https://www.amazon.com.br/Odiss%C3%A9ia-Homero-ebook/dp/B00A3D9ST8) Mas aqui uma versão menos divertida: ODISSÉIA – HOMERO
Aulas 7 e 8: Livro 2 da Odisseia
Aulas 9 e 10: Livro 3 da Odisseia Odisseia-03
Aulas 11 e 12: A poética de Aristóteles: aristoteles-poetica-gulbenkian-dig-c
Aulas 13 e 14: Édipo Rei, de Sófocles: Edipo_rei_de_sofocles

Prova 1 + comentário das provas: Aulas 15 e 16

Modos de ler — modernidade 1
Aulas 17 e 18: Hamlet, de Shakespeare: Shakespeare-Hamlet
Aulas 19 e 20: “Como ler Hamlet”, de Harold Bloom: Como_e_Por_Que_Ler_-_Harold_Bloom

Modos de ler — modernidade 2
Aulas 19 e 20: Leitura e discussão do cap. 1 de As regras da arte, de Pierre Bourdieu: bourdieu-pierre-as-regras-da-arte
Aulas 21 e 22: Discussão de Madame Bovary, de Flaubert (Leitura obrigatória. É necessário trazer o livro para a aula. Não está na pasta, nem no blog. Use uma biblioteca ou um sebo ou uma livraria).
Aulas 23 e 24: Leitura e discussão de “O romance sob acusação”, de Walter Siti: O romance sob acusação

Modos de ler — contemporâneo
Aulas 25 e 26: Leitura e discussão de “Literaturas pós-autônomas”, de Josefina Ludmer: literaturas pos autonomas
Aulas 27 e 28: Discussão de Como me tornei freira, de César Aira. Leitura obrigatória somente da primeira novela que está neste arquivo: Como me tornei freira e A costureira e o vento

Prova 2 + comentário das provas: Aulas 29 e 30

Bibliografia
ARISTOTELES. Poética. São Paulo: Difel, 1964.
AIRA, César. Como me tornei freira. Trad. Angélica Freitas. Rio de Janeiro, Rocco, 2013.
BLOOM, Harold. Como e por que ler. Trad. José Roberto O’Shea. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.
BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. Gênese e estrutura do campo literário. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
FLAUBERT, Gustave. Madame Bovary. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Cia das Letras; Penguin, 2011.
HOMERO. Odisseia. Tradução Donaldo Schüler. Porto Alegre: LP&M, 2007.
LUDMER, Josefina. Aqui América latina. Uma especulação. Trad. Rômulo Monte Alto. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.
SITI, Walter. “O romance sob acusação” + “Sustentação oral do processo contra Madame Bovary”. In: MORETTI, Franco. A cultura do romance. São Paulo: Cosac Naify, 2009.
PLATÃO. A república. Trad. Leonel Vallandro. Rio de Janeiro: EDIOURO, s/d.
SHAKESPEARE, William. Hamlet. Trad. Millôr Fernandes. Porto Alegre: L&PM, 1999.
SÓFOCLES. Édipo Rei. Trad. Paulo Neves. Porto Alegre: L&PM, 1999.