Literatura mundial e América Latina Mestrado 2017.1

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES
INSTITUTO DE LETRAS
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRA

Prof. Dra. Ieda Magri
Terças 17:00 às 20:20h
Literatura mundial e América Latina
O curso objetiva discutir de que maneira alguma literatura latino-americana ingressa na discussão de uma ideia de literatura mundial a partir de alguns teóricos que pensaram essa problemática em três movimentos: o contexto mundial com Pascale Casanova, Franco Moretti e Gayatri Spivak; o contexto latino-americano com Inácio Sanches Prado, Walter Mignolo, Josefina Ludmer, Beatriz Sarlo e Roberto Bolaño e o contexto brasileiro com Antonio Candido, Roberto Schwarz e Silviano Santiago.

Textos na pasta da disciplina no xerox do andar 11.

Calendário (15 encontros):
Março
14/03 – Apresentação da disciplina e contextualização do conceito de literatura mundial 000valery_la liberté de l’esprit + 2_weltliteratur_goethe + 00_o mercado de bens simbolicos – Bourdieu
21/03 – Discussão de A república mundial das letras, de Pascale Casanova: Pascale Casanova, “Princípios de uma história mundial da literatura”, de República mundial das letras Aqui o link do livro inteiro: recomendo a leitura dos cap. 1 e 3 especialmente. 4_Casanova-Repu-blica-Mundial-das-Letras
28/03 – Discussão de “Conjecturas sobre a literatura mundial” e “More conjectures” + A literatura vista de longe (apenas na pasta do xerox, andar 11), de Franco Moretti: moretti conjeturas_sobre_a_literatura; moretti-more-conjectures-nlr-20-march-april-2003franco-moretti
Abril
04/04 – Discussão de Morte de una disciplina, de Gayatri Spivak: (texto completo apenas na pasta do xerox, andar 11, em espanhol):  Gayatri-Chakravorty-Spivak-Muerte-de-Una-Disciplina-Seleccion
11/04 – Discussão de La idea de América Latina, de Walter Mignolo: walter-mignolo-la-idea-de-america-latina
18/04 – Discussão de “Hijos de Metapa”, de Ignacio Sanches Prado + “Apuntes sobre la literatura mundial, o acerca de la imposibilidad de la literatura universal”, de Hugo Achugar: América Latina en la “literatura mundial” (Introdução), de Ignácio Sanches Prado; 324341524-apuntes-sobre-la-literatura-mundial-o-acerca-de-la-posible-universalidad-de-la-literatura-universal-hugo-achugar

Extra para quem desejar ler mais: Roberto-Fernandez-Retamar-Para-Una-Teoria-de-La-Literatura-Hispanoamericana  + Roberto-Retamar
02/05 – Discussão de Borges, un escritor en las orillas, de Beatriz Sarlo: sarlo-beatriz-borges-un-escritor-en-las-orillas
Maio
09/05 – Discussão de Aqui, América Latina, de Josefina Ludmer: aqui-america-latina-josefina-ludmer
16/05 – Discussão de Detetives selvagens de Roberto Bolaño: bolan%cc%83o_roberto_-_los_detectives_salvajes1
23/05 – Discussão de “Literatura e subdesenvolvimento”, de Antonio Candido e “Apesar de dependente, universal”, de Silviano Santiago : candido; santiago
30/05 – Discussão de “Nacional por subtração” e de “Leituras em competição”, de Roberto Schwarz: roberto-schwarz-nacional-por-subtra; leituras-em-competic
06/06 –  Discussão de As raízes e o labirinto da América Latina, de Silviano Santiago. (Para essa discussão é desejável a leitura de As raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda e de O labirinto da solidão, de Otávio Paz): Silviano-Santiago-as-Raizes-e-o-Labirinto-Da-Am-pdf raizes-do-brasil-sergio-buarque-de-holanda
Junho
13/06 – Continuação da discussão do encontro anterior
Julho (ou dois encontros em dias diferentes nos meses anteriores)
13/07 – Seminário (apresentação oral de propostas de trabalho final)
20/07 – Seminário (apresentação oral de propostas de trabalho final) e fechamento do curso.

Avaliação
Seminários (apresentação oral de propostas de trabalho final)
Trabalho final (ensaio escrito a partir dos temas do curso)

Bibliografia básica obrigatória
BOLAÑO, Roberto. Os detetives selvagens. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
CANDIDO, Antonio. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1987.
CASANOVA, Pascale. República mundial das letras. Trad. Marina Appenzeller. São Paulo: Estação Liberdade, 2002.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1971.
LUDMER, Josefina. Aquí América latina. Una especulación. Buenos Aires: eterna Cadência, 2010.
MORETTI, Franco. Conjectures on world literature. New Left Review 1, janeiro e fevereiro de 2000.
MORETTI, Franco. More conjectures. New Left Review 20, março e abril de 2003.
MORETTI, Franco. A literatura vista de longe. Trad. Anselmo Pessoa Neto. Porto Alegre: Arquipélago, 2008.
MIGNOLO, Walter. La idea de Latino América. La herida colonial y la opción decolonial. Trad. Silvia Jawerbaun y Julieta Barba. Barcelona: Gedisa, 2005.
RAMA, Ángel. Literatura, cultura e sociedade na América Latina. Belo Horizonte: UFMG, 2008.
SANTIAGO. Silviano. Uma literatura nos trópicos. Ensaios sobre dependência cultural. São Paulo: Perspectiva, 1978.
SANTIAGO. Silviano. As raízes e o labirinto da América Latina. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.
SANTIAGO,  Silviano. Vale  quanto  pesa.  Rio  de  Janeiro:  Paz  e  Terra,  1980.
SARLO, Beatriz. Borges. Un escritor en las orillas. Espanha: Siglo Veinteuno Editores, 2005.
SCHWARZ. Roberto. Que horas são? Ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
SPIVAK, Gayatri. Morte de una disciplina. Trad. Irlanda Villegas. Santiago do Chile: Palinódia, 2009.
PAZ, Octavio. Labirinto da Solidão. Paz e Terra: São Paulo, 2006.
PRADO, Sanches. América Latina en la “literatura mundial”. Instituto Internacional de Literatura Iberoamericana, Universidade de Pittsburg, 2006.

Teoria 4 -(jan-jun 2017)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – UERJ
CULT – Departamento de Teoria Literária e Literatura Brasileira
Plano da disciplina: Teoria da Literatura 4
Professora: Ieda Magri
Semestre: 2016 / 2      (janeiro a junho de 2017)

(Textos na pasta da professora no xerox do andar 11 e em https://iedamagri.wordpress.com) É necessário estar com os textos na sala de aula, em todas as aulas.

Ementa: Estudo da narrativa a partir de autores contemporâneos latino-americanos e problematização dos conceitos de literatura e realidade. Discussão sobre sentido, interpretação e o papel da teoria e da crítica na atuação prática do aluno-pesquisador-crítico.

Aula 1: Apresentação da disciplina e discussão do trabalho do aluno como pesquisador/professor e crítico. Encaminhamento do trabalho a ser apresentado na aula 12, entregue na aula 13 e discutido nas aulas seguintes.

Bloco 1: a literatura e a teoria
Aulas 2 e 3: leitura e discussão de A confissão, de César Aira (Cap. 1 e 2) (apenas na pasta) Aqui em espanhol: Aira-Cesar-La-Confesion
Aula 4: O narrador, de Walter Benjamin: BENJAMIN, Walter_O narrador (._.)
Aula 5: O narrador pós-moderno, de Silviano Santiago: silviano-santiago-nas-malhas-da-letra
Aula 6: O boxeador polaco e o Discurso de póvoa, de Eduardo Halfon (apenas na pasta)
Aula 7: Linguagem, sentido e interpretação (Cap 4), de Teoria Literária, uma introdução, de Jonathan Culler: CULLER__Jonathan
Aula 8: A narrativa (Cap 6), de Teoria Literária, uma introdução, de Jonathan Culler (no link anterior)

Bloco 2: o laboratório crítico
Aula 9: Criação e crítica: reflexões sobre o papel do crítico literário, de Eduardo F. Coutinho: Criação e crítica- reflexões sobre o papel do crítico literário, Eduardo Coutinho
Aula 10: Texto (teoria do), de Roland Barthes: (apenas na pasta)
Aula 11: Crítica política, de Terry Eagleton (conclusão de Teoria Literária, uma introdução): Critica-Politica-Terry-Eagleton

Aula 12: discussão sobre os trabalhos: apresentação oral das propostas dos alunos
Aula 13: Entrega dos trabalhos escritos  (primeira avaliação)
Aulas 14 e 15: discussão e reescrita dos trabalhos a partir dos problemas que apareceram na leitura e conversas sobre os textos ficcionais (ver passo 3, abaixo) (segunda avaliação).

Aula 16: avaliação final do curso e terceira avaliação
(Obs.: 4 faltas reprovam)

Passos para a parte prática deste curso (ou como pensar o trabalho):
1 – Qual questão que está sendo trabalhada no curso coloca problemas que você gostaria de investigar? Ou seja: alguma coisa discutida no curso merece ser aprofundada por você? Daria algum prazer estudar essa questão?

2 – Sua questão pode nascer do embate entre os textos teóricos estudados na disciplina e sua aplicação ou impossibilidade de aplicação numa narrativa de sua escolha; ou do embate entre duas ou mais visões teóricas sobre o trabalho com a literatura; ou de sua leitura, análise e interpretação de um dos textos ficcionais estudados no curso de acordo com um ou mais dos textos teóricos estudados.

3 – Sugestões de textos ficcionais para o trabalho final:
César Aira: Como me tornei freira; A costureira e o vento
Borges: qualquer conto de Ficções
Bolaño: qualquer conto de Chamadas telefônicas ou de Putas assassinas ou um dos romances: Amuleto; Noturno do Chile; Estrela distante; Detetives Selvagens; 2666
Lina Meruane: Sangue no olho (romance)
Mário Bellatin: Cães heróis (novela)
Obs.: Não estão na pasta, nem no blog. Use uma biblioteca ou um sebo ou uma livraria.

Bibliografia principal
AIRA, César. A confissão. Trad. Hugo Almeida, Ieda Magri, Juliana Ribeiro, Mariana Teixeira. Sem publicação.
BARTHES, Roland. Inéditos – vol 1 – teoria. Trad. Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins, 2004.
BENJAMIN, Walter. “O narrador”. In: Magia e técnica, arte e política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras Escolhidas; v. 1).
COUTINHO, Eduardo F. Literatura Comparada — Reflexões. Rio de Janeiro: Anablume, 2014.
CULLER, Jonathan. Teoria literária: uma introdução. Tradução de Sandra Guardini T. Vasconcelos. São Paulo: Beca Produções Culturais, 1999.
EAGLETON, Terry. Ideologia. Trad. Silvana Vieira. São Paulo: Unesp/Boitempo, 1997.
HALFON, Eduardo. O boxeador polaco. Trad. Lui Fagundes. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.
SANTIAGO, Silviano. Nas malhas da letra. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

A outra bibliografia
AIRA, César. Como me tornei freira, seguido de A costureira e o vento. Trad. Angélica Freitas. Rio de Janeiro, Rocco, 2013.
BELLATIN, Mário. Cães heróis. Trad. Joca Wolff. São Paulo: Cosac Naify, 2011.
BOLAÑO, Roberto. Chamadas telefônicas. Trad. Eduardo Brandão. Rio de Janeiro: Cia. Das Letras, 2012.
BOLAÑO, Roberto. 2666. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.
BOLAÑO, Roberto. Estrela distante. Trad. Bernardo Ajzenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
BOLAÑO, Roberto. Amuleto. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
BOLAÑO, Roberto. Os detetives selvagens. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
BOLAÑO, Roberto. Noturno do Chile. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
BOLAÑO, Roberto. Putas assassinas. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
BORGES, Jorge Luis. Ficções. Trad. Carlos Nejar. Porto Alegre: Ed. Globo/Digital Source, 1994.
MERUANE, Lina. Sangue no olho. Trad. Josely Vianna Baptista. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

Teoria 2 (jan.-jun. 2017)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – UERJ
CULT – Departamento de Teoria Literária e Literatura Brasileira
Plano da disciplina: Teoria da Literatura 2
Professora: Ieda Magri
Semestre: 2016 / 2      (janeiro a junho de 2017)

(Textos na pasta da professora no xerox do andar 11 e em https://iedamagri.wordpress.com. É necessário estar com os textos na sala de aula, em todas as aulas.)

Ementa: Os sentidos da reflexão sobre literatura. Questões de história e literatura. Questões de crítica literária. A análise e a interpretação literária.

Aulas 1 e 2: Apresentação da disciplina. Pra que serve a literatura? Discussão sobre Literatura para quê? de Antoine Compagnon: Compagnon, Antoine. Literatura, para quê
Aulas 3 e 4:  Leitura e discussão de “A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica”, de Walter Benjamin:  A obra de arte na época da reprodutibilidade técnica- Benjamin
Aulas 5 e 6: Leitura e discussão do cap. 1 (p. 67 até 119) de As regras da arte, de Pierre Bourdieu: bourdieu-pierre-as-regras-da-arte
Aulas 7 e 8: Início da discussão de Madame Bovary, de Flaubert (Leitura obrigatória. É necessário trazer o livro para a aula. Não está na pasta, nem no blog. Use uma biblioteca ou um sebo ou uma livraria).
Aulas 9 e 10: Leitura e discussão de “O romance sob acusação”, de Walter Siti (na pasta apenas) + “Sustentação oral do processo contra Madame Bovary” processo madame bavary
Aulas 11 e 12: Leitura e discussão de “O século sério”, de Franco Moretti: seculo_serio
Aulas 13 e 14: Leitura e discussão do cap. 1 de A teoria do Romance, de Georg Lukács (2009): lukacs-a-teoria-do-romance
Aulas 15 e 16: Leitura e discussão de “O romance é concebível sem o mundo moderno?” de  Cláudio Magris: claudio magris
Aulas 17 e 18: Prova 1 + comentários sobre a prova: o estabelecimento do “campo” da arte, autonomia, o romance e o mundo moderno.
Aulas 19 e 20: Leitura e discussão do cap. 8 de Ligação direta, de Mário Perniola: perniola
Aulas 21 e 22: Leitura e discussão de “Literaturas pós-autônomas”, de Josefina Ludmer: literaturas pos autonomas
Aulas 23 e 24: Discussão de Como me tornei freira, de César Aira. (Leitura obrigatória. É necessário trazer o livro para a aula. Não está na pasta, nem no blog. Use uma biblioteca ou um sebo ou uma livraria).
Aulas 25 e 26: Leitura e discussão de “O que é um autor?”, de Michel Foucault: foucault%20michel-%20o%20que%20%e9%20o%20autor
Aulas 27 e 28: Leitura e discussão de “O autor como gesto”, de Giorgio Agamben: agamben-o-autor-como-gesto
Aulas 29 e 30: Prova 2 + comentários: literatura e autoria; pós-autonomia; retomada de Literatura para quê? de Compagnon

Aulas 31 e 32: Avaliação final

Bibliografia

AGAMBEN, Giorgio. “O autor como gesto”. In: Profanações. Trad. Selvino José Assmann. São Paulo: Boitempo, 2007.
AIRA, César. Como me tornei freira. Trad. Angélica Freitas. Rio de Janeiro, Rocco, 2013.
BENJAMIN, Walter. “A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica”. In: Magia e técnica, arte e política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras Escolhidas; v. 1).
BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. Gênese e estrutura do campo literário. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
COMPAGNON,  Antoine.  Literatura  para  quê? Tradução  de  Laura  Taddei  Brandini.  Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.
FLAUBERT, Gustave. Madame Bovary. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Cia das Letras; Penguin, 2011.
FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos. Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Tradução de Vera Lúcia Avelar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999. v. 1.
LUDMER, Josefina. Aqui América latina. Uma especulação. Trad. Rômulo Monte Alto. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.
LUKÁCS, G. A teoria do romance. São Paulo: Editora 34, 2000.
MAGRIS, Cláudio. “O romance é concebível sem o mundo moderno?” In: MORETTI (org.). A cultura do romance. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Cosac Naify, 2009.
SITI, Walter. “O romance sob acusação” + “Sustentação oral do processo contra Madame Bovary”. In: MORETTI (org.). A cultura do romance. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Cosac Naify, 2009.
MORETTI, Franco. “O século sério”. In: A cultura do romance. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Cosac Naify, 2009.
PERNIOLA, Mário. Ligação direta. Trad. Davi Pessoa Carneiro. Florianópolis: EdUFSC, 2011.

Conversas sobre literatura em tempos de greve

queridos alunos: sim, ainda estamos em greve, infelizmente.

mas estamos fazendo umas conversas que têm sido muito interessantes. na segunda, 14h, vou falar a partir da ideia “Sair do Brasil: literatura contemporânea e América Latina” com o Éverton Barbosa Correia, também professor da UERJ, e que falará sobre João Cabral. esperamos vocês lá!

Conversas sobre literatura em tempos de greve — Programação de junho

02/06, QUINTA, 14h

Ana Cláudia Viegas (ILE/UERJ)— O autor em close: sobre estratégias de (auto)construção do escritor contemporâneo

Henrique Marques Samyn (ILE/UERJ)— Florbela Espanca: gênero e política

06/06, SEGUNDA, 14h

Bernardo Oliveira (Fac. de Educação/UFRJ)— Patologia do samba

09/06, QUINTA, 14h

Aline Magalhães Pinto (FAPERJ/ Puc-Rio)— Afinar a nós mesmos — algumas notas sobre Nossa música (Notre musique, J. L Godard, 2004)

Davi Pessoa Carneiro Barbosa (ILE/UERJ)– Pasolini: estamos todos em perigo

13/06, SEGUNDA, 14h

Anna Faedrich (FBN)— Que “mundo feminino” é esse? Jogos de poder e políticas de exclusão da mulher no meio literário

Cláudia Sampaio (UFF/UNAM)— Achei porque perdi: uma lógica de interrupções. Poesia contemporânea no México e no Brasil

16/06, QUINTA, 14h

Carolina Correia dos Santos (PACC/UFRJ/ SANTA ÚRSULA) — O lugar da enunciação impossível. Reflexão sobre a subalternidade

Ana Lúcia Machado de Oliveira (ILE/UERJ) — Bela, recatada e do claustro: sobre o amor freirático na sátira seiscentista

20/06, SEGUNDA, 14h

Roberto Acízelo Quelha de Souza (ILE/UERJ)— Currículo de graduação em letras: considerações históricas e problemas da atualidade

Eduardo da Silva de Freitas (ILE/UERJ) — Algumas representações de tipos e da cidade nas sátiras de Juvenal

23/06, QUINTA, 14h

Cláudia Maria Pereira de Almeida (ILE/UERJ)— Um outro Eckermann: intertextos na figura do escritor

Magali dos Santos Moura (ILE/UERJ)— Pactos que viram história: os encontros do homem com o Diabo

27/06, SEGUNDA, 14h

Vanessa Cianconi Vianna Nogueira (ILE/UERJ)— Quando as bruxas são outras: As bruxas de Salem e a histeria coletiva no Brasil

Antonio Marcos Pereira (UFBA)— Livros de horror: episódios do livro, leitura e escritura em Lovecraft

30/06, SEGUNDA, 14h

Paulo Roberto Tonani do Patrocínio (UFRJ)— Escritos à margem: a insurreição dos sujeitos silenciados

Vitor Hugo (ILE/UERJ) — Sexo, gênero e micropolíticas na literatura marginal ou periférica

Organização: Andréa Werkema, Davi Pinho, Ieda Magri e Leonardo Davino

Concederemos certificados!

Monitoria!

Caros alunos da UERJ: ainda dá tempo de se inscrever para monitoria em Teoria 1. A prova de seleção será no dia 7/4 e vocês podem se inscrever até uma hora antes:

1 – Da INSCRIÇÃO
As inscrições deverão ser feitas em formulário próprio, na Secretaria de Graduação do Instituto de Letras ou, excepcionalmente, com o professor orientador da disciplina e os membros da Banca Examinadora, no período de 28 de março de 2016 até a data da prova de seleção respectiva, no horário das 12 às 18 horas, todos os dias e até 1 hora antes do horário da primeira prova, de acordo com a prova de referência, conforme ANEXO II.

Poderão inscrever-se os alunos ativos, regularmente matriculados em cursos de Graduação Plena da UERJ e que atendam aos seguintes requisitos:
a) terem cursado, no mínimo, dois semestres do seu curso de origem;
b) ter cursado e estarem aprovados na disciplina objeto do concurso;
c) não terem tido qualquer reprovação na disciplina objeto do concurso; d) não terem sofrido sanção disciplinar de suspensão.
Parágrafo Único – Com referência ao item “d”, não ocorrerá a proibição de inscrição, se a sanção disciplinar de suspensão tiver sido cumprida há mais de um ano.
1.1- DOCUMENTAÇÃO PARA A INSCRIÇÃO –
Histórico Escolar recente – IMPRESSO DO ALUNO ONLINE (disciplinas cursadas); Foto 3×4 recente.
1.2 – DO HORÁRIO DA INSCRIÇÃO
O Horário de Atendimento será: das 12 às 18 horas, todos os dias e até 1 hora
antes do horário da primeira prova, quando for o dia final de inscrição de acordo com a prova de referência, conforme ANEXO II

monitoria

Queridos alunos e ex-alunos da UERJ:

Estão abertas as inscrições para monitoria em Teoria Literária I, no curto período de 28/03 até 31/03 – na secretaria de LETRAS, no horário de 12h às 17h, (ou também pela manhã, quando houver quadro funcional disponível)…

Apesar da greve, o calendário foi mantido, o que torna difícil a divulgação. Mas vão lá entre segunda e quinta. Para se inscrever, basta ter cursado Teoria I e ter disponível 20h para o trabalho, sob supervisão do professor José Carlos Prioste.